Políticas em Saúde

Código: PENF-0066
Curso: Mestrado Profissional em Enfermagem
Créditos: 2
Carga horária: 30
Ementa: Trata da formação do Estado brasileiro, estuda o processo de organização e institucionalização das políticas de saúde no Brasil, enquanto uma política pública. Estuda os condicionantes sociais e políticos da democracia e cidadania brasileira. Estuda o movimento sanitário, a reforma sanitária, os modelos de atenção em saúde e as conferências nacionais de saúde. Trata do processo de formulação, implementação e avaliação do SUS. Aborda as perspectivas do SUS no contexto das políticas púbicas e das perspectivas contemporâneas para o setor e as interfaces com as práticas de enfermagem.
Bibliografia: BRASIL. Ministério da Saúde.A Política de Saúde no Brasil nos anos 90: avanços e limites Ministério da Saúde; elaborado por Barjas Negri. – Brasília: Ministério da Saúde, 2002

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. SUS: avanços e desafios./ Conselho Nacional de Secretários de Saúde. – Brasília : CONASS, 2006.
COHN, A. O estudo das políticas de saúde: implicações e fatos. In: CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa et. al. Tratado de saúde coletiva. São Paulo: HUCITEC; Rio de Janeiro, Ed. Fiocruz, 2007, p. 219-246.
COSTA, R.N.; RIBEIRO, José M. Política de saúde e inovação institucional: Uma agenda para os anos 90. Rio de Janeiro: Secretaria de Desenvolvimento Educacional, 1996.
COHN, A. & Elias, P.E. Saúde no Brasil: políticas e organização de serviços. São Paulo: Cortez,1996.
DALLARI, S. G. Os estados brasileiros e o direito à saúde. São Paulo: Hucitec, 1995.
EINBENSCHUTZ, Catalina (org.) Políticas de saúde: O público e o privado. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1996.
GENTILI, F.(org.) Globalização excludente: Desigualdade, exclusão e democracia na nova ordem mundial. Rio de Janeiro: Vozes; Buenos Aires: Clacso, 2000.
IBGE. Síntese de indicadores sociais-2012. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.
KEINERT, Tânia Margarete M. [2000] Administração pública no Brasil: crises e mudanças de paradigmas. São Paulo: NNABLUME: FAPESP, 2000.
MENDES, E.V. (org.) Distrito sanitário: o processo social de mudança das práticas sanitárias do sistema único de saúde. São Paulo: Hucitec/ Abrasco,1993.
NUNES, E. [1997]. A Gramática política do Brasil: clientelismo e insulamento burocrático. Rio de Janeiro: Jorge Zahar / Brasília : ENAP.
OLIVEIRA, J. A. DE A.; TEIXEIRA, S. M. F. (Im) Previdência Social – 60 anos de história da previdência no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes, 1985
PAIM, J. S. & FILHO, N. de A. A crise da saúde pública e a utopia da saúde coletiva. Salvador: Casa da Qualidade, 2000.
TAVARES, L. Ajuste neoliberal e desajuste social na América Latina. Rio de Janeiro, UFRJ, 1999.
TEIXEIRA C.F.; SOLLA J.P. Modelo de atenção à saúde: promoção, vigilância e saúde da família. Salvador: Edufba; 2006. 236 p.
WESTPHAL, M. F.; ALMEIDA, E. S. de (org). Gestão de serviços de saúde. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2001. p. 91-111.
• BRASIL. Ministério da Saúde. Programas e projetos - Documentos disponíveis no site e Home Page do Ministério da Saúde.
• Revistas: Ciência e Saúde Coletiva – Abrasco; Cadernos de Saúde Pública – ENSP; Saúde Pública_ Faculdade de Saúde Pública da USP;Revista Saúde em Debate- Revista do Centro Brasileiro de Saúde Coletiva (CEBES) e outras.

Transparência Pública
Acesso à informação

© Universidade Federal do Espírito Santo 20013. Todos os direitos reservados
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe | Vitória - ES, Brasil | CEP 29.040-090