PREVALÊNCIA E FATORES ASSOCIADOS A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ESTUDO EM UMA MATERNIDADE DE ALTO RISCO.

Nome: Karina Fardin Fiorotti
Tipo: Dissertação de mestrado profissional
Data de publicação: 20/12/2016
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Franciéle Marabotti Costa Leite Orientador
Maria Helena Costa Amorim Co-orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Cândida Caniçali Primo Examinador Interno
Eliane de Fátima Almeida Lima Suplente Interno
Franciéle Marabotti Costa Leite Orientador
Leônidas de Albuquerque Netto Suplente Externo
MARIA APARECIDA VASCONCELOS MOURA Examinador Externo
Maria Helena Costa Amorim Coorientador

Resumo: A violência doméstica é um fenômeno que persiste em muitos lugares do
mundo, de forma silenciosa e banalizada e que tem, em geral, como principal
perpetrador aquele que faz parte do círculo social de suas vítimas. Esse fenômeno pode acometer à mulher nos seus diferentes ciclos de vida. Objetivo: Descrever as prevalências dos tipos de violência doméstica entre puérperas atendidas em uma maternidade de alto risco; examinar a associação desses agravos com variáveis demográficas, socioeconômicas e reprodutivas. Metodologia: Trata-se de um estudo epidemiológico, analítico, observacional do tipo transversal. Participaram do estudo 302 puérperas com pelo menos 24 horas de pós-parto internadas na maternidade do
Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes nos meses de junho a setembro de 2016. Os dados foram coletados por meio de entrevista com registro em formulário.
Foram utilizados um formulário para dados socioeconômicos, demográficos e
reprodutivos e o AAS - Abuse Assessment Screen para rastreio de violência
doméstica. Resultados: Entre as entrevistadas, 43% das puérperas relataram ter vivenciado situações de maus tratos ao longo da vida, 7,6% foram vítimas de violência física nos últimos 12 meses anteriores à entrevista e 4,6% estiveram em situação de violência física durante a gestação. Houve associação estatística mesmo após regressão entre o desfecho maus tratos ao longo da vida e as variáveis idade, religião e número de gestações das entrevistadas. Da mesma forma, ter vivenciado violência
física no último ano e violência física na gestação estiveram fortemente associados à situação conjugal da puérpera. Produtos: Quanto aos produtos, foi elaborado o folder com orientação para as mulheres quanto aos tipos de violência e redes de apoio, bem como foi ampliado o instrumento de coleta de dados da maternidade com questões acerca da violência doméstica. Conclusão: Este estudo reafirma que a violência
constitui um fenômeno presente na vida da mulher, inclusive no período gestacional, e que se mostrou associado à condição demográfica e obstétrica da vítima. Além disso, entende-se como estratégia de enfrentamento da violência a utilização de instrumentos pelo serviço de saúde que permitam identificar a violência e assim promover cuidado mais qualificado às vítimas, bem como o processo de educação em saúde deve fazer parte das atividades dos profissionais, com orientações às usuárias sobre o fenômeno da violência contra a mulher.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© Universidade Federal do Espírito Santo 20013. Todos os direitos reservados
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe | Vitória - ES, Brasil | CEP 29.040-090